terça-feira, 28 de fevereiro de 2012

Mulher supera doença e é aprovada na universidade onde filha se formou

Marlene de Oliveira passou em 12º lugar para Economia na UFSJ.
Ela lutou sete anos contra o transtorno esquizoafetivo.

Flávia Cristini e G1 MG

Após sete anos de tratamento contra um transtorno psiquiátrico, Marlene de Oliveira vai estudar na mesma universidade em que a filha Karina acaba de se graduar (Foto: Arquivo Pessoal)
Muitos ingressam em um curso superior para ter uma profissão. Para Marlene Aparecida de Oliveira, moradora de Ouro Branco, na Região Central de Minas Gerais, ser aprovada no vestibular representou a recuperação da dignidade e da autoestima. Aos 48 anos, ela vai estudar economia na Universidade Federal de São João del Rei (UFSJ), mesma instituição onde sua filha mais nova, Karina Giancotti, graduou-se em engenheira elétrica. “Foi ótimo. Quem diria que ela iria passar?”, conta a caçula recém-formada.
Após  transtorno psiquiátrico, Marlene de Oliveira vai estudar na mesma 
universidade em que a filha Karina acaba de se graduar (Foto: Arquivo Pessoal)
Marlene decidiu que era hora de voltar a estudar depois de lutar contra um tipo de transtorno psiquiátrico. “Foram sete anos, eu falava coisas que as pessoas não compreendiam. Era como se eu falasse uma língua que não dava para entender uma palavra”, relembra a caloura.
saiba mais
Nascida na cidade de Califórnia, no Paraná, Marlene mudou-se para em Minas Gerais em 1992 para gerenciar uma mineradora de pequeno porte. Com a doença, Marlene se viu obrigada a interromper a carreira. “Passei sete anos sendo chamada de maluca, na verdade, sou chamada até hoje”, afirma. Depois de várias tentativas, ela encontrou o tratamento certo e pode retomar sua vida. Para ganhar dinheiro, chegou a fazer faxina em diversas casas de estudantes em Ouro Branco.
Marlene se tratou do chamado transtorno esquizoafetivo. O psiquiatra João Vinícius Salgado, que acompanhou parte do tratamento dela, explica que o paciente com este quadro pode apresentar alterações de comportamento e delírios motivados ou não por quadro de humor. “Pequena parcela desses doentes consegue ter uma vida plena, ter emprego e constituir uma família por causa da gravidade dos sintomas e da ausência atualmente de tratamento que seja satisfatório”, disse.
Eu sempre acreditei que podia mudar a vida das pessoas para melhor. Acredito em solidariedade porque eu tive muita"
Mas ela conseguiu driblar algumas limitações e se propôs a realizar o sonho de fazer um curso superior, que vinha desde os tempos da adolescência. Foi aí que procurou um supletivo. Não foi na primeira tentativa que Marlene garantiu uma vaga na universidade, mas, apesar disso, não desistiu. Conseguiu uma das disputadas vagas em cursinho da prefeitura de Ouro Branco e seguiu firme nos estudos.
Rotina regrada
A caloura tinha uma rotina bem regrada, apesar de revelar que não acordava muito cedo. Todos os dias, por volta da 1h, ela ia até o ponto de ônibus esperar a filha caçula Karina chegar das aulas de Engenharia Elétrica na UFSJ, que fica a cerca de 2h30 de viagem de Ouro Branco. No cursinho, Marlene se sentava na frente para escutar bem os professores e relia o conteúdo em casa. “Fiz alguns amigos no pré-vestibular, mas estava lá para cumprir meu objetivo. Eu gosto de estudar, não acho um sacrifício. Quero estudar muito ainda”, explica.

O empenho teve como recompensa a aprovação em 12º lugar. Para Marlene, essa vitória deve ser dedicada a muitas pessoas, além das filhas. Segundo ela, os verdadeiros amigos, que deram apoio durante a doença, e o médico responsável pelo tratamento foram fundamentais.
Uma das limitações do transtorno é o déficit cognitivo, que pode comprometer o aprendizado. Segundo o psiquiatra, alterações biológicas, uso inadequado de medicação e falta de estímulo justificariam esse déficit. Como explica Salgado, o portador pode apresentar quadro de perda de vontade e, por vezes, acaba sendo isolado no convívio social.
A doença desafia a ciência, que pesquisa as prováveis causas e busca a cura. “Normalmente a doença aparece no fim da adolescência e início da idade adulta. Por que exatamente, não se sabe. Pode estar relacionado à predisposição biológica, que associada a fatores adquiridos ao longo da vida, fazem eclodir a doença”, afirma Salgado. O transtorno esquizoafetivo, segundo o médico, pode ser controlado com medicação e psicoterapia. Um momento de superação, como o que foi vivido por Marlene, ajuda a recuperar a autoestima e favorece o tratamento.
A caloura do curso de economia vai se empenhar pelos próximos cinco anos não só para se deslocar entre Ouro Branco e São João del Rei. Ela quer se esforçar para fazer algo que valha à pena. “Eu adoraria fazer uma coisa super diferente. Eu sempre acreditei que podia mudar a vida das pessoas para melhor. Acredito em solidariedade porque eu tive muita”, planeja.
Postar um comentário

Na Realiza Cursos tem a profissão que coloca você no mercado de trabalho!