domingo, 12 de fevereiro de 2012

O mercado de trabalho precisa de mão de obra qualificada

Apesar da atual crise econômica que vivemos, os primeiros meses do ano ainda é período ideal para procurar emprego


A Maioria das vagas são para o setor de serviços, como porteiro, vigilante e assistente administrativo.
Google imagem

Veja dicas para ter mais chance de contratação:

Listamos as vagas que estão em alta no mercado e também o que fazer para conquistar essas oportunidades.
Na maior cidade do país, a segunda-feira está devagar, sem trânsito, várias lojas e escritórios de São Paulo estão fechados, porque muita gente ainda não voltou a trabalhar. Mas folga é pra quem tem emprego. Para quem não tem, hoje é dia de correr atrás de uma vaga.
"Fui demitida uma semana antes do Natal. Um presentão, né? Agora tem que correr atrás", conta Natalia Melo, desempregada. Se 2011 não terminou muito bem, 2012 pode começar melhor.
Esses primeiros dias do ano são bons para procurar emprego. Nos centros de seleção e encaminhamento de candidatos já há várias empresas querendo contratar.
Muitas vagas estão abertas desde o ano passado. A maioria é para o setor de serviços, como para porteiro, vigilante, assistente administrativo e secretária. O segundo setor que mais procura trabalhadores é o comércio. Seguido por indústria e construção civil.
“A gente até dá uma dica para quem busca emprego ou acabou de conseguir uma formação no final do ano, que eles se submetam as oportunidades, mesmo que elas estejam aquém das suas pretensões. Porque é uma boa chance para que elas busquem bagagens, experiências e buscar outras oportunidades no mercado”, afirma Willians Ferreira, coordenador do Centro de Solidariedade ao Trabalhador - SP.
Enquanto a vaga não vem, quem der entrada no seguro-desemprego, vai receber a partir de hoje o seguro já com o reajuste de 14,1%. O limite passou a ser de R$ 1.163, 76 por mês. O pagamento é feito por até cinco meses. O seguro é calculado pela média dos últimos três meses trabalhados e o benefício é pago por até cinco meses.
Usar parte desse dinheiro para fazer um curso é uma das maneiras de incrementar o currículo. Atenção para os técnicos: se sua área é a indústria, procure cursos de montador e soldador, por exemplo. Na construção civil, cursos de desenhista e projetista podem ajudar. Já para quem quer trabalhar no setor de serviços, estudar informática ou programação pode ser um diferencial.
"Na hora em que o selecionador for identificar alguém no mercado e essa pessoa tiver esta competência, frente a outro que não têm, mesmo que ele não vá usar esta competência agora, ele pode usar no futuro, então ele vai dar preferência para esta pessoa", ressalta Fernando Montero da Costa, consultor de RH.
As empresas estão buscando candidatos até nas redes sociais. Ele também sugere que antes de procurar uma vaga, você pense e foque sempre no é bom e no gosta de fazer. "Se você for procurar qualquer coisa, o selecionador vai perceber. O importante é você identificar aquilo que tem a ver com as suas aptidões, com as suas habilidades, com a sua experiência, acumulada ao longo dos anos e aquilo que realmente te fez mais feliz".

Fernando Montero da Costa, consultor de RH, dá outras dicas e orientações para conseguir um emprego:
- Informe-se sobre as oportunidades: pesquise sites de empresas, sites de emprego, anúncios, etc., para poder contar com um campo de busca mais amplo.
- Invista no seu networking: seja ele pessoal, de amigos ou profissional. As redes sociais do tipo Linkedin e Facebook têm servido como um bom canal por empresas para localizar candidatos.
- Cuide de sua aparência: o aspecto pessoal faz diferença na busca de emprego. Na dúvida, procure ser mais formal do que informal, porque boa parte das empresas valorizam este quesito.
- Antes de começar a procurar, identifique suas preferências: trabalhar em uma empresa, fazendo aquilo que você não gosta, vai te fazer infeliz e se o selecionador perceber isto na entrevista, você não será o candidato escolhido para a vaga.
- Valorize sua formação escolar: especialmente se você tiver feito curso técnico, já que o mercado ainda continua favorável para especialistas.
- Venda bem suas habilidades e competências: citando aquilo em que você é realmente bom e relatando experiências profissionais que o destacaram e o fizeram bem sucedido em outros empregos.
- Selecione boas fontes de referência pessoais e profissionais.
- Seja autêntico: não oculte ou minta sobre eventuais fraquezas profissionais. Enfatize seus pontos fortes e se o selecionador tocar em algum ponto fraco profissional seu, diga que você buscará melhorar.
- Esteja atento ao diálogo com o entrevistador: procure não se dispersar durante a entrevista, desligue o celular, procure demonstrar tranquilidade e segurança e, principalmente, responda às perguntas do entrevistador de forma clara e objetiva.
- Persista: o emprego dos seus sonhos pode não estar tão visível ou fácil de encontrar. Preencha fichas de emprego, cadastre-se pela internet ou em redes sociais, atenda às chamadas de entrevistas e facilite a vida do selecionador encaixando o quanto antes em sua agenda o compromisso da entrevista.


Por Natália Adriede


Postar um comentário